O que muda com a chegada do bebê?

” A experiência do nascimento desorganiza as identidades; a nova mãe não é mais a jovem esposa, nem a mulher com uma profissão que antes era. Sente subitamente que ela é ninguém, mas tem um novo bebê que depende inteiramente dela. O marido sente que perdeu, ao mesmo tempo, a mulher, a filha, a amante e a mãe, e que se tornou um estranho. Se houver um filho mais velho, este perdeu de maneira devastadora sua identidade e sua posição de primeiro e único filho. Finalmente, temos o bebê, um frágil pacote de vida, em situação precária, transportado de um mundo interno quente e protegido, após uma experiência de nascimento para um mundo exterior super-estimulante…” 1

Tantas mudanças e necessidades merecem muito cuidado e atenção!!

Mas damos atenção devida às recém mães?

Quando você visita uma pessoa que acabou de ter um bebê quem você olha primeiro ? 🤔

Claro, queremos ver o bebê!

Eles são fofos mesmo e despertam o melhor de nós.

Mas quero chamar atenção aqui para a MÃE.

Ela precisa de espaço para falar sem reservas e sem julgamentos; Ela precisa de atenção e cuidados para se sentir amada e confortável para ELA cuidar de seu bebê; Rede de apoio é para DAR CONDIÇÕES a mulher para ser mãe e aprender com as necessidades de seu filhote.

E os pais ?

Muitas vezes a mulher fica tão atordoada com a maternidade e quer cuidar de seu bebê que não dá espaço para o pai se aproximar. No primeiro momento é ela, mãe, que tem sim papel crucial. Mas no período de 4 a 8 meses do bebê é esperado que o Pai esteja ali, ativo participando do processo para o desenvolvimento saudável da dupla mãe-bebê.

Estudos e pesquisas apontam para essa necessidade da Função Paterna ativa para que não só a mãe reconheça que a criança não é um objeto, como também a própria criança vivencie a experiência de outra pessoa sem ficar passiva. É necessário experimentar os momentos de ausência da mãe para desenvolver.

Podemos todos, ser parte dessa aldeia!

Tanto precisamos falar sobre esse período!!!

Vamos ?

1 – Joan Symington, in A Observação do Lactente, no livro: A Observação de Bebes os laços do encantamento

Pré Natal Psicológico?

Sabe o que seria ideal ?

Que todo casal fizesse ou tivesse um tempo de preparo psicológico para a gestação.

Sabe quando a pessoa vai fazer cirurgia bariátrica?

Implica mudanças de hábitos e comportamentos e uma série de adaptações na rotina. Qualquer um chega para o médico e diz quero fazer a cirurgia e marca o dia e vai fazer ??? Não né, pois é! Tem um preparo psicológico além dos exames clínicos e físicos.

O ideal também seria que os casais tivessem um tempo de falar sobre Gestação, infância “dos gestantes”, seus medos, sobre a relação com seus pais, sobre os sujeitos que querem assumir novos papéis – de pai, mãe, responsáveis por outro ser…

Esse seria O ideal…

Mas qual é o real ???

Sabia que existe o Pré Natal Psicológico e é tão importante quanto o acompanhamento físico da gestação?

A maternidade é sim um momento sublime e para muitas famílias é um sonho lindo! Mas existe uma realidade que até pouco tempo não era tão falada e que hoje em dia já vemos mais relatos das dores além das delícias. Cada mulher, cada gestação tem seus dias de alegria e frustrações e expectativas e um infinito de situações e sensações que mexem muito com a vida da pessoa.

Estudos recentes sobre o período de Gestação mostra que um percentual grande de grávidas apresentam sintomas de stress, depressão, altos níveis de ansiedade. Cada uma vivencia esse período de uma forma e mesmo a mesma mulher pode vivenciar duas gestações de forma diferente. O que concluímos quando lemos essas pesquisas? Que tão necessário quanto os exames pré natais, da parte física/fisiológica, é um momento de Terapia ou seja, o Pré Natal Psicológico e pode ajudar muito na prevenção de Depressão pós parto, pode ajudar muito na relação mãe-bebe e consequentemente no desenvolvimento saudável do novo serzinho.

Acreditar nas Crianças

Você pode x duvido que você faça isso

Já falei assim e vejo mães falando: filha calça o sapato para irmos embora… Ah duvido que você consegue calçar sozinha…
Duvido que você mostra pra tia como fez lá em casa… Ah ela não sabe tia…
.
E sem perceber, sem maldade claro, o que estamos dizendo pra criança com essa brincadeira = você não consegue, você não sabe… Você não é capaz…
E o que significa em termos de auto estima quando alguém te desafia ? Te diz que você não é capaz ? Qual seu sentimento?
Bom, para poucos, serve de estimulo – vou mostrar que sou capaz sim, vou provar pra todo mundo que posso…
Mas, para a maioria das pessoas, a tendência é se render e acreditar que não consegue e não pode mesmo e gradativamente vai aceitando papéis e funções menores por não acreditar em si mesmo.
.
E o que podemos fazer então?
Tão bom quando alguém nos encoraja né
Vai você consegue, tenta, se não der eu te ajudo, podemos tentar de novo, mas eu sei que você é capaz e vai conseguir… mais um pouco, vamos… isso aí… vale a pena se esforçar… estou do seu lado torcendo por você…
.
E então? Podemos mudar um pouquinho todos os dias, vamos ?!

Métodos… técnicas … aplicações

Existe técnica certa ou errada para mudar alguém ?

Na verdade estou pensando sobre técnicas, métodos e o tanto que queremos respostas rápidas e mágicas para mudar o outro. Mas será que é bem assim?

Imaginemos uma situação:
O jovem chega para seu terapeuta e diz: estou a fim de uma moça, alta, morena, linda, mas temos dificuldades de relacionamento e comunicação, me dê aí dicas e um método para lidar com ela.
🤔🤔🤔🤔
.
A moça pensa: hum esse livro é ótimo, todo mundo está falando dele e tem uma técnica que é fantástica, funcionou com fulana, vou fazer assim por que preciso melhorar meu casamento.
🤔🤔🤔🤔
.
E se mudarmos um pouco…
Os pais chegam no consultório e dizem: nos ajude, queremos um “jeito” para lidar com nosso filho que está muito difícil não pára quieto e não estamos dando conta. ..
🤔🤔🤔🤔
.
Só para pensar um pouco nas relações que estabelecemos e nas expectativas que criamos em relação a métodos e fórmulas e dicas que lemos no post ou no Google e “poções mágicas” para educar e ou comunicar.
Não é que não funcionam(não é uma crítica aos métodos e técnicas ou qualquer teoria que as defenda).
.
A questão é estarmos atentos – cada um à SUA REALIDADE, à SUA INDIVIDUALIDADE e características de sua família…
.
Não podemos esquecer que as relações são Sujeito x Sujeito e portanto, variáveis!

Precisa de tempo, dedicação, adaptação e Desejo das partes envolvidas.

P.S para justificar as fotos e o paralelo – Na dança até funciona treinar os alongamentos e passos passados em aula para a turma e mesmo assim, cada um tem seu tempo de aprender o passo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“Ser mãe nem sempre é ser Super !”

Participando mais uma vez da BC das amigas Te Nolasco do Blog Bolhinhas de Sabao para Maria e Cris do Prosa de Mãe

Enquanto estava grávida não fiz muitos planos, sou mais de viver um dia de cada vez.

Arrumei o quartinho, preparei enxoval, claro! Mas acho que tinha um certo bloqueio de pensar no depois… Só queria ver a carinha da minha filha!

Com ela nos braços eu ria e chorava… tantos sentimentos, tantas emoções… Quando cheguei em casa, me sentia super… eu quis dar o primeiro banho, só eu achava que sabia arrumar e separar a roupinha… recuperação da cesárea super tranquila eu achava que podia tudo!

Continue lendo “Ser mãe nem sempre é ser Super !”

Solidão Materna

Alguém te falou que recém-mãe sente solidão?

Antes de viver isso você imaginou tal situação?

Pois é, eu também não sabia e fui descobrindo e sentindo no dia a dia…
E depois que passou, consigo ler e entender bem melhor o assunto !!!

As amigas Te Nolasco e Cris dos Blogs Bolinha de sabão para Maria e Prosa de Mãe, lançaram o tema: Solidão Materna e vamos mais uma vez participar! Visite os blogs e veja tantas opiniões e experiências de mães em seus dias e aventuras na maternagem.

Continue lendo Solidão Materna

Comparações e competições de Mãe

É interessante como o serumaninho desde cedo quer alguma coisa e já fica de olho no que o outro tem…

Nos jogos, é certo que haverá um que vence e um que perde, o que deveríamos marcar é que todos ganham – o prazer de ter jogado, de ter se divertido. Se assim se permitir curtir e se divertir em participar!

Continue lendo Comparações e competições de Mãe

Primeira Infância

É assim que nas pesquisas se denomina os primeiros anos de vida de um ser humano!

Período este marcado por muuuitos processos e desenvolvimento.

Podemos dizer que é a fase determinante tanto para a capacidade cognitiva quanto para a sociabilidade do sujeito, visto que o cérebro absorve todas as informações, (o HD está limpinho rs) as respostas são rápidas e duradouras. Segundo especialistas, as crianças nesta fase precisam de oportunidades e estímulos, para que possam desenvolver cada uma de suas aptidões.

Continue lendo Primeira Infância